20 julho 2011

norte

Vejo a lua rasgada por dedos de céu. E nuvens que cospem lágrimas de gélida sobriedade. Vejo o ar, frouxo, entranhar-se-me no tutano. E o pó, insonso, estranhar-me ainda a pele. Vejo o mundo de um poiso diferente. E os outros do mesmo lugar. Sempre assim. À mesma distância.

Sobreponho as escolhas aos deslizes. E avanço, brusca, no incógnito. Enceto o piso deste caminho embrionário. Não me amedronto. Nem me aquieto. Não aposto. Nem recuo. Adapto-me. Mas contrario a tendência. Forjo a integração. E esforço-me por quebrá-la. Refugio-me na falsa despreocupação do não querer saber. Sou cúmplice. E culpada. Vagabunda. E libertina. Solitária. E acomodada.

Sei que não é ainda aqui o destino dos meus passos trôpegos. Não é ainda aqui a residência oficial da minha felicidade. Não é ainda aqui o fim. Nem tão-pouco o limite. Não é ainda aqui que encontro o meu baú na ponta do arco-íris. Não é ainda aqui que construo os alicerces e edifico a minha casa de chocolate. Não é ainda.

Absorvo a mudança. E usufruo da descoberta. Não risco troços no mapa. Mas assinalo os pontos de passagem. Trago a bússola no bolso. Saberei sempre para que lado está o norte.

5 comentários:

Cria Cuervos disse...

Lindona...

Cria Cuervos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Giba disse...

;)

Lua Nova disse...

O que importa mesmo é a jornada, não o destino. O que vale é o que fazemos enquanto buscamos nossos sonhos. Como disse John Lennon, "a vida é o que acontece enquanto fazemos planos." Que estejamos inteiros em cada instante do caminho, que sejamos intensos em cada atitude e verdadeiros em nossas escolhas.
Adorei o texto. Esse e muitos outros que li. Convido-a a conhecer meu blog e saborear um chocolate quente comigo.
Beijokas e uma linda semana.
Seguindo...

Francisco disse...

Adorei este Texto esta fabuloso.

nao deixe de passar no meu blogue e seguir-lo

Mcpts
Francisco