05 abril 2011

tatuagem

Fui apagando o rasto da minha passagem. Substitui as marcas desta presença por um passado isento de vida, aquele que aqui habitava, inócuo, antes da minha chegada. Troquei os cortinados e esvaziei o roupeiro. Desfiz a cama, limpei as prateleiras, varri a varanda e esforcei-me para que as plantas não demonstrassem já o seu abandono à terra. Encaixotei o mundo inteiro. O meu. Memórias inúmeras de vivências mais ou menos gloriosas. Amores e desamores. Passado e presente no encalço de futuro incerto. Vestígios de uma história em constante ebulição.

Aprisionei romances de ficção e literatura técnica em embrulhos sólidos de plástico. Tranquei-os em caixas sem saber quando voltarão a respirar. Sempre achei que os livros não se queriam fechados. Sempre achei que deveriam ter ressequida nas páginas a maior diversidade possível de saliva e suor. Ar. Talvez para perpetuar a existência de um texto ele tenha, obrigatoriamente, de passar por mais do que um par de mãos. É mais verídica uma crença quantos mais forem os seus seguidores, parece-me.

Deixei de fora o Livro do Desassossego e o cd recém-lançado de Flajazzados. Apegos pessoais por motivos distintos. Afectividades difíceis de desenlaçar. Seguem debaixo do braço.

Embalei roupa e acessórios seleccionados. Abandonei a vil esperança de um dia voltar a ser a menina que já fui e larguei os vestidos de há anos num saco. Reprimi a tentativa, obviamente infrutífera, de ser já mulher – daquelas que se identificam à vista desarmada - e desfiz-me de todo o calçado de salto alto que em raras ocasiões se ocupou do meu ego.

Esta é a minha última noite por estas paragens. Não consigo dormir. Esforço o lento correr das horas para que o tempo me permita absorver tudo o que fica para trás.

Cresci sem dar por isso desde aquele dia nublado e chuvoso em que aqui cheguei. Fui adolescente. Arrastei uma mão cheia de sonhos. Fui estudante universitária, jornalista, empregada de balcão. Fui companheira e dona de casa. Solitária e vagabunda. Enchi a porosidade da alma de alentos e libertinagens, tatuagens sentimentais, que hoje me custam deixar.

Ergue-se já um novo dia e avizinha-se apressada uma nova viragem. As metas não simbolizam, no entanto, pontos de chegada mas sempre novos pontos de partida. Esta é apenas mais uma. Que chega ao fim ou que agora recomeça.

8 comentários:

Anónimo disse...

Boa viagem Lisa. É já ali. Não é longe, nem tão pouco assustador. Um recomeço, ou melhor, um começo. Pelo prazer da descoberta já vai valer a pena.
AP

LiSa disse...

A imparável dinâmica da vida... E talvez o mais importante não sejam os locais de que gostamos mas sim as histórias que temos deles. E essas carregamo-las sempre connosco.
Obrigado.

Vitor Reia-Baptista disse...

Boa viagem Lisa. Sinto-me lisonjeado pelo que levas debaixo do braço. Abraço.

LiSa disse...

Seja bem-vindo a este poiso. E obrigado.
Abraço.

Tiago Marcos disse...

Lisa importante é que leves sempre contigo caneta e papel... as casas que são feitas de palavras não estão presas ao chão :) abraço

LiSa disse...

"Moro numa casa inacabada, feita de terra molhada, com o céu às cavalitas" (O Assobio da Cobra, Manuel Paulo).
Abraço e até breve.

Alfarrobino disse...

Olá =)
Gostei bastante do seu blog. Recomendo a todos! =)

Para partilhar o seu blog, queria propor-lhe que coloca-se um anuncio do meu blog no seu enquanto que eu iria colocar um anuncio do seu blog no meu blog.. Assim ambos sairíamos a ganhar =)

Visite-te em http://publicitymoney.blogspot.com/

Cumprimentos,
Alfarrobino =)

Anónimo disse...

oii, gostei muito do seu blog.
Entre no meu e veja se gosta também e seja nosso seguidor, vlw.

www.hatesosweet.blogspot.com